Translate

12/04/2012

As proposições do Silogismo Categórico


Para analisarmos a validade dos silogismos categóricos, é necessário que antes sejam dados alguns esclarecimentos. Tais esclarecimentos dizem respeito:

a) à estrutura do juízo ou da proposição categórica;
b) à classificação dos juízos ou proposições categóricas;
c) à quantificação do predicado das proposições categóricas.



A estrutura do Juízo ou Proposição Categórica

Consideremos o seguinte exemplo:

"Alguns filósofos são ateus."

Se analisarmos a estrutura deste juízo, encontramos três elementos constituintes:
O sujeito - aquilo acerca do qual, neste caso, se afirma algo. O sujeito deste juízo é "filósofos".
O predicado - a qualidade ou característica que, neste caso, se afirma pertencer ao sujeito. O predicado deste juízo é "ateus".
A cópula - o elemento de ligação entre o sujeito e o predicado. É representado pelo verbo ser (neste caso, na forma afirmativa - "é").

O juízo apresentado contém outro elemento: a partícula "Alguns". Partículas como "Alguns" e "Algum", "Todo" e "Todos", "Nenhum" e "Nenhuns" antecedem o sujeito e quantificam-no, isto é, indicam se o predicado é atribuído a todos os membros da classe do sujeito, se somente a uma parte deles ou se não é atribuído a qualquer deles. Estas partículas recebem o nome de "Quantificadores". Que mais informações retiramos da análise do juízo acima exposto? O sujeito e o predicado exprimem uma relação entre duas classes de objectos: uma das classes (filósofos) é nomeada pelo sujeito; a outra classe de objectos (ateus) é nomeada pelo predicado. Neste juízo afirma-se que alguns dos membros da classe filósofos nomeada pelo sujeito estão incluídos na classe ateus nomeada pelo predicado.
Aos juízos nos quais se diz, por exemplo, que alguns ou todos os membros da classe nomeada pelo sujeito se incluem ou não se incluem na classe representada pelo predicado dá-se o nome de juízos ou proposições categóricas. São esses os juízos a que iremos dar mais atenção.



Nota importante: O juízo é um acto do pensamento mediante o qual relacionamos conceitos. A proposição é a expressão verbal ou escrita desse acto mental. Embora, como se vê, juízo e proposição não sejam absolutamente idênticos, dada a sua íntima ligação, passaremos a falar de proposição e de juízo sem qualquer distinção. 

Sem comentários:

Enviar um comentário